Empresas de Varejo do Setor de Alimentação ampliam participação em operações de M&A: Entenda os motivos, oportunidades e riscos

Segundo um estudo realizado por uma das principais consultorias do ramo de transações corporativas, o mercado de M&A (Fusões e Aquisições) no Brasil é dominado por pequenas e médias empresas, concentrando 90% das operações. A mesma consultoria, aponta que só em 2021 foram registradas 706 transações de M&A em todos os setores do mercado, o que representa um aumento de 100% nos últimos cinco anos e recorde histórico para o mercado nacional.  

Ainda em 2022 não faltam exemplos de transações deste modelo: 

No estado de São Paulo, o Flex Atacarejo adquiriu cinco lojas da Bon-Netto; o Grupo Amarelinha comprou sete lojas da Rede Palomax; a rede Savegnago adquiriu 14 lojas do Paulistão; o Villarreal Supermercados anunciou uma fusão com a rede Simpatia. Já no Rio Grande do Sul, a Asun, incorporou quatro lojas do Grupo Big, pertencente ao Carrefour.  

Adicionalmente, segundo dados de outra consultoria do setor, pelo menos 185 redes de supermercados e atacarejos no Brasil são empresas familiares, com faturamento anual acima de R$ 300 milhões e com potencial de passar por processos de M&A, o que mostra que existe um mercado imenso não explorado e potencial de expansão e lucro para os próximos anos. 

Cenários que explicam essas movimentações 

Ainda segundo um estudo realizado em 2022, a Pandemia da Covid-19, a alta da taxa de juros (selic), o desaparecimento da disponibilidade de crédito e o câmbio favorável, foram fatores que causaram uma crise no setor do varejo alimentar e forçaram as pequenas e médias empresas a fazer movimentos estratégicos que levaram os executivos dessas empresas a conhecer o mercado de M&A. 

 Os dados mostram que o mercado de M&A foi muito acessado como alternativa de captação de recursos ou oportunidade de expansão rápida e agressiva dos negócios. 

M&A como solução estratégica de crescimento 

É de conhecimento geral que o crescimento orgânico traz muitos desafios. A abertura de uma nova loja de varejo requer estudos de demanda, negociação e preparação do local, construção da loja, desenvolvimento de uma logística de abastecimento e geração de demanda dos clientes, todos esses processos leva meses e até anos.  

Neste sentido, o processo de M&A (Fusão e Aquisição) permite comprar uma loja já operando plenamente e pular todas essas etapas e, assim, acelerar o crescimento e a geração de receita.  

Entretanto, o processo de M&A não está livre de riscos, pesquisas do setor evidenciam que 2/3 dos movimentos de M&A não geram o resultado esperado, rentabilidade, retorno ou geração de valor esperado aos sócios. Isto normalmente ocorre devido ao planejamento de um processo de M&A mal realizado, que não considera todas as variáveis futuras de mudança que poderão impactar a operação do negócio, por isso, é vital a decisão de contratar um assessor de M&A que tenha pleno domínio na área para evitar falhas durante o processo, deixando claro todos os riscos aos sócios durante o processo.  

A Alianzo possui um time especializado e pronto para assessorar e esclarecer todas as dúvidas sobre este dinâmico mundo de operações de M&A. Nossos especialistas possuem ampla experiência em transações corporativas para empresas de pequeno, médio e grande porte. Fale conosco e tire suas dúvidas, estamos prontos para te auxiliar.  

Descubra agora

como está o nível da entrega da sua contabilidade!

Sua empresa

é obrigada a fazer auditoria?

Últimos posts:

Cultura

Alianzo é a única empresa do Centro-Oeste no ranking das 100 empresas Top of Mind de 2024

Cultura

Alianzo Inaugura Escritório em Houston, Texas – EUA e assume novos desafios internacionais

Cultura

Alianzo expande sua presença nacional e inaugura sede em Cuiabá – MT  

Tributos

Reforma tributária 2023: o que é, qual é o cenário atual e o que muda? 

Cultura

Alianzo garante presença no ranking Great Place to Work pelo 4º ano consecutivo enquanto se destaca entre as 10 melhores empresas do Centro-Oeste 

Tributos

Governo Federal poderá cobrar IRPJ e CSLL sobre benefícios fiscais de ICMS concedidos pelos Estados de acordo com decisão do STJ.